A grama do vizinho é sempre mais verde

landfill-1024x682

Essa semana uma notícia me chamou a atenção. A notícia em questão é de que a grande maioria dos nossos municípios tem dívidas com os aterros sanitários. O rombo já é maior do que R$ 10 bilhões. E não é só isso: descartamos nosso lixo como se ele não fosse mais existir a partir do momento em que colocamos ele na lata para ser levado pro lixão.

Já não é de hoje que eu acompanho como a realidade de alguns países é diferente da nossa, em diferentes áreas. Muitas pessoas que visitam outros países dizem que “eles são mais limpos do que nós”, “que são mais bem educados”. Isso faz eu me perguntar: por que não podemos ser limpos também? Por que não podemos ser educados?

Eu não acredito que o lixão tenha que ser parte de uma realidade ruim. Podemos construir um lixo mais saudável. E isso tem que começar dentro de casa. Precisamos separar nosso lixo para que ele possa ser reciclado e não vire a montanha de toneladas de lixo que vão para o aterro todos os dias.

Devemos também nos concentrar em reduzir nosso lixo. Fazer nossa comida de maneira mais natural que não necessite embalagens é uma delas. E, acreditem, só essa parte do dia-a-dia já reduz metade do lixo que uma pessoa produz no dia.

No Japão, por exemplo, já existe aproveitamento de quase todo lixo produzido. Ele vira energia ou é reciclado de outras maneiras. De tudo que é levado ao lixão apenas 4% não é aproveitado para nada. Esse tipo de iniciativa gera emprego para muitas pessoas, sem contar no lucro que o aterro tem por vender o material reciclado para grandes empresas. Ninguém sai perdendo.

Volto para a mesma pergunta de antes: por que ainda não fazemos isso aqui? Só tem resultado bom! Tanto para a sociedade, quando você consegue um retorno financeiro para eles; quanto para a economia, já que você vai ter um novo tipo de mercado e aumenta o poder de compra que antes muitas outras pessoas não tinham; e o mais importante: o meio ambiente agradece por ter um lugar que será mais bem cuidado, limpo e que tem espaço para plantar mais árvores.

Um país que está com uma crise hídrica grave tem que mudar sua visão e prol da natureza.

Você recicla o seu lixo? Qual a sua relação com ele? Deixe nos comentários!

NASA descobre 7 planetas parecidos com a Terra…O que há de errado com isso?

entorno_de_estrelas_binarias_propicio_a_planetas_com_vida_h__2013-03-13123109

Estrela binária

Já faz um tempo que veio ao mundo a notícia de que a NASA descobriu sete planetas que tem características parecidas com a da Terra. Os planetas em questão estão localizados em torno de uma estrela anã de nome Trappist-1 e três desses sete parecem ser os mais habitáveis. Um dos aspectos mais importantes que os cientistas sempre procuram em planetas desse tipo é a presença de água já que ela é o atributo que dá origem à diferentes formas de vida como conhecemos.

Tendo todas essas informações, os pesquisadores já estão procurando fazer pesquisas nesses planetas para descobrir se de fato podemos nos mudar para lá em breve. O que? Se mudar para um novo planeta? O que há de errado com isso?

Só tudo! Por que iríramos querer nos mudar para outro planeta? Porque a Terra está morrendo aos poucos. Por que ela está morrendo? Por influência nossa! Então por que cargas d’água eu não invisto em simplesmente prevenir a morte do meu planeta ao invés de me enfiar em uma cápsula que me vende o sonho de que a vida em outro planeta será melhor do que a daqui?

O grande problema do plano B é sempre pensar no plano B e simplesmente deixar de encarar as dificuldades do plano A. O objetivo do plano A é fazer o possível para que possamos tornar a Terra um lugar sustentável para se viver. É repensar a forma como descartamos as nossas coisas e não produzir novas coisas que sejam simplesmente desprezadas como se fossem sumir de uma hora para a outra.

Não estou defendendo que não devemos fazer experiências planetárias para descobrir outros lares. Acredito que a pesquisa científica em todos os aspectos é nossa maior realização. Mas o fato de criar novas coisas mas sem originar novas soluções para o rumo de bens que adquirimos, apenas reforça a minha ideia de que só vamos mudar o lugar do nosso lixo e não mudar nossos hábitos poluidores.

De que adianta ter um novo lar sem mudar de vida? Deixe a resposta nos comentários.

Balanço do Mês de Fevereiro

cir_animacion_1

Então, no mês passado falei por aqui que iria mudar meu planejamento para que cada mês tivesse ênfase em um aspecto diferente no caminho para #lixozero. Nisso, cada mês que passa é cumulativo. Isso quer dizer que se em um mês eu comecei a implementar uma diferença na minha rotina, essa diferença vai continuar no mês seguinte mesmo ele tendo ênfase em outra coisa.

Meus planos para cada mês eram assim:

Fevereiro – ser vegetariana

Março – abolir o plástico

Abril – não comprar coisas novas a não ser que sejam realmente necessárias

 

O que deu certo em Fevereiro

Em Fevereiro eu consegui finalmente ir à nutricionista para começar a minha dieta vegetariana e, embora muita gente tenha olhado torto para mim de início, não foi tão difícil assim fazer a transição. Mas ainda não vejo esse estilo de vida como algo para todos, afinal de contas você começa a mudança quando está aberto a experimentar comidas que não costumava comer antes.

Outra coisa que eu notei e que planejo falar mais sobre em outro post, é que algumas coisas são caras por serem vistas como “diferentes”. E isso porque eu sou apenas vegetariana e não vegana.

O que deu errado em Fevereiro

Fevereiro é o mês do Carnaval. Logo, saí para vários blocos. Isso acabou sendo um pequeno problema porque não me alimentei diferente. Basicamente o que comi foi hamburguer vegetariano, batata frita e outras frituras. Sem contar que durante o Carnaval ninguém se importa com nada, então quando se trata de sede a única opção é água. Era isso ou refrigerante/cerveja e eu não sou super fã de nenhum dos dois.

Planejamento

Como o Carnaval já passou, espero que eu consiga manter a dieta sem abusar tanto de coisas gordurosas porque elas realmente fazem com que eu me sinta mal: cansada, a barriga dói e não tenho vontade de fazer absolutamente nada.

Em Março eu vou:

  • Abolir o plástico

Para isso preciso:

  1. Pensar no que vai para o meu lixo que é plástico
  2. Repensar o que posso comprar
  3. Mudar minha forma de comprar determinadas coisas
  4. Aprender a fazer alguns lanches em casa
  5. Reduzir o meu consumo de uma forma geral

Como o mês de Março é grande é um ótimo mês para formar um novo hábito. Ao longo do mês vou postando por aqui algumas atualizações sobre como estou repensando meu lixo e uso de plástico. Espero o feedback de vocês através da hashtag #marcosemplastico. E me acompanhem porque eu também vou postar minhas mudanças lá no Instagram. O meu é o @licedoa. Até a próxima!