Furoshiki: Uma Alternativa ao Plástico

hibiki_an

Levar marmita sempre me incomodou de certa forma. Não sou adepta de andar com muitas bolsas. Pra mim quanto mais simples e menos coisas pra carregar melhor. Por isso, colocar a marmita na bolsa sempre foi um tabu pra mim. Colocava sempre na ecobag e enquanto eu levava ela ia virando, virando…às vezes entornava e às vezes chegava bem perto disso.

Todos os dias as pessoas utilizam sacos plásticos pra sanar esse tipo de problema e muitos outros. Pesquisei e encontrei várias “lancheiras” que as pessoas usam para levar comida para o trabalho, mas vi também que muitas delas são feitos de materiais poluentes e que não são biodegradáveis. Na maioria dos casos elas são feitas de poliéster e tem plásticos por dentro para reter o calor ou o frio.

Por isso, encontrei uma nova forma de levar a marmita. Com uma abordagem mais simples, o furoshiki é um método de amarração que permite que você crie a forma que você prefere a partir dos nós que dá em qualquer pano de algodão que você tenha em casa. Dependendo do pano, se ele for mais grosso ele pode até reter mais calor, como as marmitas convencionais. Abaixo você tem alguns exemplos de amarrações mas se procurar no Pinterest tem um monte de ideias maravilhosas!

060403-5

Você já usou o furoshiki? Já conhecia? Tem alguma outra forma de reduzir o plástico? Conta pra gente nos comentários!

Anúncios

Formas Simples de Fazer Menos Lixo

art-blur-close-up-1004112

Ah, o lixo! Esse inimigo que está sempre à espreita, aguardando você esquecer dele pra que ele se aposse de toda sua vida. Ele pode ser evitado ou repensado, sabia? Muita gente diz que o modo de vida zero waste é difícil e que dá muito trabalho, mas é tudo uma questão de hábito realmente. Por isso, trouxe dicas bem práticas que você pode substituir ou incluir na sua rotina pra que produza menos lixo. É claro que a lista não tem fim, mas tentei me ater aos itens abaixo.

Carregue sua própria ecobag. Eu carrego sempre duas na bolsa, mas tenho uma ecobag no armário que guarda todas as outras ecobags que eu tenho. Quando vou fazer compras, sempre levo duas a mais caso apareça algo que esqueci de comprar. Elas também servem pra levar outros itens que não caibam na sua bolsa normal ou até mesmo pra levar sua marmita.

Tenha sempre uma garrafa e/ou copo. Confesso que quase nunca levo garrafa para os lugares porque sinto que a mochila fica muito pesada. Mas sempre levo meu copo retornável para tudo que é canto. Acredite, você sempre vai querer beber alguma coisa.

Leve seu almoço de casa e prefira sempre fazer o que você come. Primeiramente, você deve programar o que irá comer ao longo da semana pra evitar excessos. Depois de feita, a comida pode ser levada para o trabalho como marmita. Leve também sempre uma fruta para o lanche fora de hora.

Caso coma fora leve seu pote e seus próprios talheres. Esse tipo de atitude pode assustar algumas pessoas e elas vão tentar te deter. Mas não desista! Você está fazendo o que é certo pelo meio ambiente. Não esqueça de levar seu próprio guardanapo de pano também!

Recuse todo tipo de descartável. Essa é a importância de levar sempre seu kit com você. Evite descartes.

Tenha suas bolsinhas de feira. Sabe aquelas sacolinhas de feira que as pessoas normalmente embalam os legumes pra pesar? Você não precisa delas! Elas podem ser facilmente substituídas por sacolinhas de sapato por exemplo. É claro que você vai lavá-las antes de utilizá-las, não é mesmo?

Guarde todas as sobras de comida. Sempre que não aguentar mais ou caso sobre almoço, guarde para comer mais tarde ou em outro dia.

Reutilize potes de vidro. Os seus potes comprados no mercado com condimentos e outras coisas podem ser reutilizados para guardar sobras de comidas, saladas, sucos, etc. São milhares de maneiras diferentes!

Prefira compras à granel. Ao invés de comprar tudo ensacado no mercado, verifique primeiro se a loja à granel perto da sua casa tem os itens que você precisa! Hoje existe uma infinidade de produtos à granel! Até coisas que você nem imagina!

Use escova de dentes de bambu. É sempre melhor que você utilize uma escova de bambu porque ela é biodegradável e quando acabar a vida útil você pode compostá-la. Verifique se a que você tem é com cerdas naturais ou sintéticas. As que vendem no Brasil são sintéticas. Nesse caso, as cerdas não podem ser compostadas.

Faça seus próprios produtos ou compre de um pequeno produtor. Hoje em dia existem vários tutoriais na internet ensinando a fazer produtos zero waste de todo tipo. Mas, caso você não tenha muito tempo ou paciência, faça como eu e compre em um pequeno produtor. Mas atenção: pergunte quais são os ingredientes presentes na fórmula, teste, pergunte se faz logística reversa, peça transparência sempre! Não é porque é pequeno produtor que o negócio é zero waste. Compre localmente também!

Use um barbeador reutilizável. Imagina só se você tivesse que catar lixo no aterro e se cortasse com o barbeador de alguém que você nem faz ideia quem é. Essa infelizmente é a realidade de muita gente, por isso, pense sempre nisso antes de pensar em utilizar aquelas lâminas recarregáveis ou o barbeador descartável. Compre um que seja utilizado pela vida toda e que você troque apenas as lâminas dentro dele.

Doe com intenção. Todas as coisas que não cabem mais ou que você não gosta mais, podem ser doadas, mas elas devem ser doadas com intenção. Vá em locais que realmente necessitam e não doe simplesmente para se livrar dos seus pertences.

Pegue livros emprestados. Se você ama ler como eu, pegue emprestado livros que você tenha interesse de ler. Faça um clube do livro com amigos que gostam de ler tanto quanto você e visite sua biblioteca local com mais frenquência. Pegar emprestado não se limita apenas a livros, você pode pedir qualquer item que vá usar rapidamente a um vizinho, por exemplo.

Compre de segunda mão. Brechós estão aí pra dizer o quanto é legal comprar de segunda mão. Mas existem também antiquários, vendas de garagem ou até mesmo feiras de troca. Sites de venda de segunda mão também servem.

Reutilize coisas que já tem. Com certeza você tem alguma toalha que não usa mais e pode virar pano de chão ou até mesmo lencinhos. Pense sempre em adquirir objetos que possam ser reutilizados quando não puderem mais ser usados na forma original. Pinterest tem várias ideias de reutilização.

Apenas lave suas roupas depois de alguns usos. Tem gente que usa a roupa uma vez e já acha que tem que botar pra lavar. Quando usar uma vez, coloque na corda pra tomar um ar e reutilize outras vezes. Quando estiver com um cheiro estranho aí sim você pode colocar pra lavar.

Poupe energia. Atitudes simples como abrir a janela ao invés de usar ventilador, apagar a luz quando for ver TV, etc. Use energia apenas quando não tiver outra alternativa.

Use shampoo e condicionador em barra. Vários pequenos produtores vendem sabonetes, shampoos e condicionadores em barra pelados. Prefira comprar desses ou fazer o seu próprio pra reduzir descarte de embalagens.

Tenha um coletor menstrual ou um absorvente de pano. Essa é bem auto-explicativa. Tem gente que acha o coletor muito caro. Mas nesses momentos vale mais à pena pagar caro por uma coisa que você vai usar pra sempre do que ficar comprando absorvente e poluindo o meio ambiente.

Poupe água. Quando for escovar os dentes, feche a torneira; procure novas alternativas para gastar menos água quando for lavar a louça, etc.

Composte restos de comida biodegradável. Vegetais, frutas, legumes, dentre outras coisas podem ser compostados. Se você não tem uma composteira em casa, veja algum serviço na sua cidade que composte sua comida.

Tenha uma mini-horta em casa. Nem todos podem ter uma grande horta com todas as coisas que vai comer (seria um sonho!), mas você pode produzir seus próprios condimentos, por exemplo. Tem no Pinterest também!

Troque suas esponjas por bucha vegetal. A bucha é biodegradável e compostável e as esponjas são de plástico, que vai virar lixo no aterro. Ame a bucha e seja feliz lavando a louça e se ensaboando no banho.

Recicle. Tudo o que você não puder recusar, reduzir, reutilizar ou compostar, recicle. A reciclagem não é a solução dos problemas do meio ambiente. Mas, caso não tenha outro jeito, estude mais para reciclar da maneira correta.

Tente reduzir seu consumo de papel. Sei que vão dizer que papel pode ser reciclado, mas ele pode, antes de tudo ser reduzido. Eu reciclo o meu papel com a Schopf Papier que tem pontos de reciclagem no RJ. Mas você pode procurar um ponto na sua cidade e também pode reduzir seu consumo de papel escrevendo no celular, na tablet ou no computador, por exemplo.

Ufa! Achou muito difícil? Lembrando que todas essas mudanças serão reforçadas através do hábito. Compartilhe com os seus conhecidos e cada vez mais as pessoas vão se adaptar melhor e mais rápido produzindo cada vez menos lixo. Caso você tenha mais alguma dica, deixe nos comentários!

O Mundo da Moda

shatenka-chernoe-plate-les

Recentemente, li um artigo que mostrava de que forma o mundo da moda pode ser um aliado e um vilão. Achei importante levantar essa questão aqui no blog já que a moda é uma indústria que toma cada vez mais proporções catastróficas.

Esse mercado bilionário é o segundo maior contribuidor para o aquecimento global sendo responsável por 10% de emissões de carbono, ela só perde para a indústria de óleo e gás.

Muito se fala sobre o trabalho escravo que é uma realidade na vida de famílias que vivem em lugares muito pobres, como no Camboja. No entanto, esse tipo de trabalho feito em condições precárias acaba por ser o único meio de subsistência dessas pessoas. Muitos não querem que acabe, mesmo sofrendo com o ganha-pão deles.

A dura realidade desses trabalhadores está mudando aos poucos com a ajuda de iniciativas que querem encontrar formas de exigir dos donos dessas grandes empresas dêem condições melhores de trabalho, assim como um salário maior para esses operários.

Mas o trabalho escravo não é o único problema. Estima-se que sejam gastos 1.300 litros de água só para fazer uma blusa. Imaginem o quanto uma fábrica inteira não gasta por dia. E não pára por aí. Leve em consideração também o gasto de água para o cultivo da matéria prima desses produtos. O algodão, por exemplo, gasta muito mais água e utiliza muito mais pesticidas do que a fibra de urtiga, que é um isolante térmico natural e não é atacada por muitas pragas.

Outro exemplo que vale a pena ser citado é o material polietileno que vocês já leram sobre aqui. Ele libera milhares de micropartículas que direto para os oceanos a cada lavagem que fazemos.

Muitas comunidades pobres em países como a Índia e Indonésia estão sofrendo porque indústrias têxteis estão acabando com fontes de pesca, como o Mar Aral que fica na Ásia Central. Ele está secando pouco a pouco por causa da utilização das fábricas. Isso sem contar na quantidade de poluição em outras bacias ao redor das fábricas, que acabam por deixar a população local doente e com doenças que não podem ser tratadas justamente por causa da baixa renda dessas famílias.

Isso deixa de ser apenas um problema social e ambiental e se torna um problema de todos. A quantidade de água existente hoje já não pode se revitalizar porque não damos o tempo devido para que ela se renove. Isso se dá pelo grande contingente populacional no mundo.

Já existem marcas de roupas que se preocupam em ser mais humanizadas e reduzir  seus impactos ambientais. Embora as intenções sejam ótimas, ainda assim estamos reduzindo ao invés de reduzir. Acho muito legais as propostas de lojas como Huge, Ada e Myneral, que apostam no modelo de upcycling que é um movimento muito importante rumo a um mundo #100lixo.

Brechós ainda são opção também quando você busca roupas novas por um custo menor. Antigamente era muito comum ver moças comprando roupas usadas em lojas que eram chamadas de boutiques e tinham ares mais glamurosos. Podemos voltar a ter esse tipo de cultura para gerar menos lixo, rendas para esses vendedores e gastar menos água. Nesse momento, essas são as opções de menos impacto.

Deixe sua opinião nos comentários e poste suas fotos #100lixo no Instagram.

Fontes: +Alma, Forbes

Imagem: Google

Balanço do Mês de Março

DESTAQUE_OUTONO

Nos últimos meses eu venho atualizando vocês em relação às minhas metas de até o fim do ano conseguir produzir zero de lixo ou implementar ideias pra que eu chegue bem perto disso.

Desde que eu comecei a realizar alternativas no meu dia-a-dia, eu tenho notado algumas dificuldades. A maior delas vem do preconceito das pessoas. Em uma das minhas tentativas de pedir um copo de vidro que era usado no estabelecimento apenas para água, fui tratada como se fosse uma criança. Quando perguntei à garçonete se ela podia trazer meu milkshake no copo de vidro ela prontamente disse: “nossa empresa trabalha de forma padronizada e não podemos colocar o milkshake no copo de vidro. Mas não se preocupe [com um sorriso irônico], vamos reutilizar o seu copo, fofa.”

Em outras situações ainda sou tachada de louca porque “é impossível viver sem plástico”. Mas mesmo essas barreiras preconceituosas não deixam eu me desanimar.

Nesse mês tive outros tipos de empecilhos. Tive treinamentos, trabalhos da faculdade, além do meu próprio trabalho diário. Com a falta de tempo a gente começa a entender a importância de desacelerar e planejar a nossa forma de produzir menos lixo.

Eu não costumo ter grandes problemas em relação a compra de bens de consumo como roupas, cosméticos e etc. Mas tenho uma grande fraqueza por comida. Na correria eu acabei por esquecer minha comida em casa, as frutas que sempre como, por exemplo. Com isso, tive que apelar para a padaria. Tamanha foi a minha surpresa quando cheguei lá e descobri que NADA vem sem embalagens. A única coisa que vem sem embalagem é o pão na chapa que eu nunca como. Até a canjica, que é feita por eles, vem numa embalagem de isopor que depois será descartada.

Então vocês já podem imaginar que eu acabei produzindo uma quantidade considerável de lixo, mas aviso logo que a minha lista não está completa:

  • 3 pacotes pequenos de balas de leite
  • um pacote de chiclete
  • 3 cartelas de remédios
  • muitas notas fiscais
  • 2 pacotes de biscoito
  • 2 sacolas de plástico
  • 3 embrulhos de bombom que ganhei de presente
  • 2 quentinhas de isopor
  • 2 pacotes de chocolate

Continuarei levando comida de casa sempre que necessário, mas dessa vez vou planejar melhor meus lanches para que eu não repita frutas nem me sinta tentada a comprar coisas embaladas.

Em Abril vou guardar todas as embalagens que eu comprar, além de notas fiscais que iriam para o lixo pra fazermos juntos uma análise do que devo melhorar. Enquanto isso vamos postar com a hashtag #100lixo para mostrar alternativas melhores ao longo do mês.

Quais as suas formas de produzir menos lixo? Conte nos comentários!

A grama do vizinho é sempre mais verde

landfill-1024x682

Essa semana uma notícia me chamou a atenção. A notícia em questão é de que a grande maioria dos nossos municípios tem dívidas com os aterros sanitários. O rombo já é maior do que R$ 10 bilhões. E não é só isso: descartamos nosso lixo como se ele não fosse mais existir a partir do momento em que colocamos ele na lata para ser levado pro lixão.

Já não é de hoje que eu acompanho como a realidade de alguns países é diferente da nossa, em diferentes áreas. Muitas pessoas que visitam outros países dizem que “eles são mais limpos do que nós”, “que são mais bem educados”. Isso faz eu me perguntar: por que não podemos ser limpos também? Por que não podemos ser educados?

Eu não acredito que o lixão tenha que ser parte de uma realidade ruim. Podemos construir um lixo mais saudável. E isso tem que começar dentro de casa. Precisamos separar nosso lixo para que ele possa ser reciclado e não vire a montanha de toneladas de lixo que vão para o aterro todos os dias.

Devemos também nos concentrar em reduzir nosso lixo. Fazer nossa comida de maneira mais natural que não necessite embalagens é uma delas. E, acreditem, só essa parte do dia-a-dia já reduz metade do lixo que uma pessoa produz no dia.

No Japão, por exemplo, já existe aproveitamento de quase todo lixo produzido. Ele vira energia ou é reciclado de outras maneiras. De tudo que é levado ao lixão apenas 4% não é aproveitado para nada. Esse tipo de iniciativa gera emprego para muitas pessoas, sem contar no lucro que o aterro tem por vender o material reciclado para grandes empresas. Ninguém sai perdendo.

Volto para a mesma pergunta de antes: por que ainda não fazemos isso aqui? Só tem resultado bom! Tanto para a sociedade, quando você consegue um retorno financeiro para eles; quanto para a economia, já que você vai ter um novo tipo de mercado e aumenta o poder de compra que antes muitas outras pessoas não tinham; e o mais importante: o meio ambiente agradece por ter um lugar que será mais bem cuidado, limpo e que tem espaço para plantar mais árvores.

Um país que está com uma crise hídrica grave tem que mudar sua visão e prol da natureza.

Você recicla o seu lixo? Qual a sua relação com ele? Deixe nos comentários!

NASA descobre 7 planetas parecidos com a Terra…O que há de errado com isso?

entorno_de_estrelas_binarias_propicio_a_planetas_com_vida_h__2013-03-13123109

Estrela binária

Já faz um tempo que veio ao mundo a notícia de que a NASA descobriu sete planetas que tem características parecidas com a da Terra. Os planetas em questão estão localizados em torno de uma estrela anã de nome Trappist-1 e três desses sete parecem ser os mais habitáveis. Um dos aspectos mais importantes que os cientistas sempre procuram em planetas desse tipo é a presença de água já que ela é o atributo que dá origem à diferentes formas de vida como conhecemos.

Tendo todas essas informações, os pesquisadores já estão procurando fazer pesquisas nesses planetas para descobrir se de fato podemos nos mudar para lá em breve. O que? Se mudar para um novo planeta? O que há de errado com isso?

Só tudo! Por que iríramos querer nos mudar para outro planeta? Porque a Terra está morrendo aos poucos. Por que ela está morrendo? Por influência nossa! Então por que cargas d’água eu não invisto em simplesmente prevenir a morte do meu planeta ao invés de me enfiar em uma cápsula que me vende o sonho de que a vida em outro planeta será melhor do que a daqui?

O grande problema do plano B é sempre pensar no plano B e simplesmente deixar de encarar as dificuldades do plano A. O objetivo do plano A é fazer o possível para que possamos tornar a Terra um lugar sustentável para se viver. É repensar a forma como descartamos as nossas coisas e não produzir novas coisas que sejam simplesmente desprezadas como se fossem sumir de uma hora para a outra.

Não estou defendendo que não devemos fazer experiências planetárias para descobrir outros lares. Acredito que a pesquisa científica em todos os aspectos é nossa maior realização. Mas o fato de criar novas coisas mas sem originar novas soluções para o rumo de bens que adquirimos, apenas reforça a minha ideia de que só vamos mudar o lugar do nosso lixo e não mudar nossos hábitos poluidores.

De que adianta ter um novo lar sem mudar de vida? Deixe a resposta nos comentários.

Balanço do Mês de Fevereiro

cir_animacion_1

Então, no mês passado falei por aqui que iria mudar meu planejamento para que cada mês tivesse ênfase em um aspecto diferente no caminho para #lixozero. Nisso, cada mês que passa é cumulativo. Isso quer dizer que se em um mês eu comecei a implementar uma diferença na minha rotina, essa diferença vai continuar no mês seguinte mesmo ele tendo ênfase em outra coisa.

Meus planos para cada mês eram assim:

Fevereiro – ser vegetariana

Março – abolir o plástico

Abril – não comprar coisas novas a não ser que sejam realmente necessárias

 

O que deu certo em Fevereiro

Em Fevereiro eu consegui finalmente ir à nutricionista para começar a minha dieta vegetariana e, embora muita gente tenha olhado torto para mim de início, não foi tão difícil assim fazer a transição. Mas ainda não vejo esse estilo de vida como algo para todos, afinal de contas você começa a mudança quando está aberto a experimentar comidas que não costumava comer antes.

Outra coisa que eu notei e que planejo falar mais sobre em outro post, é que algumas coisas são caras por serem vistas como “diferentes”. E isso porque eu sou apenas vegetariana e não vegana.

O que deu errado em Fevereiro

Fevereiro é o mês do Carnaval. Logo, saí para vários blocos. Isso acabou sendo um pequeno problema porque não me alimentei diferente. Basicamente o que comi foi hamburguer vegetariano, batata frita e outras frituras. Sem contar que durante o Carnaval ninguém se importa com nada, então quando se trata de sede a única opção é água. Era isso ou refrigerante/cerveja e eu não sou super fã de nenhum dos dois.

Planejamento

Como o Carnaval já passou, espero que eu consiga manter a dieta sem abusar tanto de coisas gordurosas porque elas realmente fazem com que eu me sinta mal: cansada, a barriga dói e não tenho vontade de fazer absolutamente nada.

Em Março eu vou:

  • Abolir o plástico

Para isso preciso:

  1. Pensar no que vai para o meu lixo que é plástico
  2. Repensar o que posso comprar
  3. Mudar minha forma de comprar determinadas coisas
  4. Aprender a fazer alguns lanches em casa
  5. Reduzir o meu consumo de uma forma geral

Como o mês de Março é grande é um ótimo mês para formar um novo hábito. Ao longo do mês vou postando por aqui algumas atualizações sobre como estou repensando meu lixo e uso de plástico. Espero o feedback de vocês através da hashtag #marcosemplastico. E me acompanhem porque eu também vou postar minhas mudanças lá no Instagram. O meu é o @licedoa. Até a próxima!