Balanço do Mês de Março

DESTAQUE_OUTONO

Nos últimos meses eu venho atualizando vocês em relação às minhas metas de até o fim do ano conseguir produzir zero de lixo ou implementar ideias pra que eu chegue bem perto disso.

Desde que eu comecei a realizar alternativas no meu dia-a-dia, eu tenho notado algumas dificuldades. A maior delas vem do preconceito das pessoas. Em uma das minhas tentativas de pedir um copo de vidro que era usado no estabelecimento apenas para água, fui tratada como se fosse uma criança. Quando perguntei à garçonete se ela podia trazer meu milkshake no copo de vidro ela prontamente disse: “nossa empresa trabalha de forma padronizada e não podemos colocar o milkshake no copo de vidro. Mas não se preocupe [com um sorriso irônico], vamos reutilizar o seu copo, fofa.”

Em outras situações ainda sou tachada de louca porque “é impossível viver sem plástico”. Mas mesmo essas barreiras preconceituosas não deixam eu me desanimar.

Nesse mês tive outros tipos de empecilhos. Tive treinamentos, trabalhos da faculdade, além do meu próprio trabalho diário. Com a falta de tempo a gente começa a entender a importância de desacelerar e planejar a nossa forma de produzir menos lixo.

Eu não costumo ter grandes problemas em relação a compra de bens de consumo como roupas, cosméticos e etc. Mas tenho uma grande fraqueza por comida. Na correria eu acabei por esquecer minha comida em casa, as frutas que sempre como, por exemplo. Com isso, tive que apelar para a padaria. Tamanha foi a minha surpresa quando cheguei lá e descobri que NADA vem sem embalagens. A única coisa que vem sem embalagem é o pão na chapa que eu nunca como. Até a canjica, que é feita por eles, vem numa embalagem de isopor que depois será descartada.

Então vocês já podem imaginar que eu acabei produzindo uma quantidade considerável de lixo, mas aviso logo que a minha lista não está completa:

  • 3 pacotes pequenos de balas de leite
  • um pacote de chiclete
  • 3 cartelas de remédios
  • muitas notas fiscais
  • 2 pacotes de biscoito
  • 2 sacolas de plástico
  • 3 embrulhos de bombom que ganhei de presente
  • 2 quentinhas de isopor
  • 2 pacotes de chocolate

Continuarei levando comida de casa sempre que necessário, mas dessa vez vou planejar melhor meus lanches para que eu não repita frutas nem me sinta tentada a comprar coisas embaladas.

Em Abril vou guardar todas as embalagens que eu comprar, além de notas fiscais que iriam para o lixo pra fazermos juntos uma análise do que devo melhorar. Enquanto isso vamos postar com a hashtag #100lixo para mostrar alternativas melhores ao longo do mês.

Quais as suas formas de produzir menos lixo? Conte nos comentários!

Anúncios

A grama do vizinho é sempre mais verde

landfill-1024x682

Essa semana uma notícia me chamou a atenção. A notícia em questão é de que a grande maioria dos nossos municípios tem dívidas com os aterros sanitários. O rombo já é maior do que R$ 10 bilhões. E não é só isso: descartamos nosso lixo como se ele não fosse mais existir a partir do momento em que colocamos ele na lata para ser levado pro lixão.

Já não é de hoje que eu acompanho como a realidade de alguns países é diferente da nossa, em diferentes áreas. Muitas pessoas que visitam outros países dizem que “eles são mais limpos do que nós”, “que são mais bem educados”. Isso faz eu me perguntar: por que não podemos ser limpos também? Por que não podemos ser educados?

Eu não acredito que o lixão tenha que ser parte de uma realidade ruim. Podemos construir um lixo mais saudável. E isso tem que começar dentro de casa. Precisamos separar nosso lixo para que ele possa ser reciclado e não vire a montanha de toneladas de lixo que vão para o aterro todos os dias.

Devemos também nos concentrar em reduzir nosso lixo. Fazer nossa comida de maneira mais natural que não necessite embalagens é uma delas. E, acreditem, só essa parte do dia-a-dia já reduz metade do lixo que uma pessoa produz no dia.

No Japão, por exemplo, já existe aproveitamento de quase todo lixo produzido. Ele vira energia ou é reciclado de outras maneiras. De tudo que é levado ao lixão apenas 4% não é aproveitado para nada. Esse tipo de iniciativa gera emprego para muitas pessoas, sem contar no lucro que o aterro tem por vender o material reciclado para grandes empresas. Ninguém sai perdendo.

Volto para a mesma pergunta de antes: por que ainda não fazemos isso aqui? Só tem resultado bom! Tanto para a sociedade, quando você consegue um retorno financeiro para eles; quanto para a economia, já que você vai ter um novo tipo de mercado e aumenta o poder de compra que antes muitas outras pessoas não tinham; e o mais importante: o meio ambiente agradece por ter um lugar que será mais bem cuidado, limpo e que tem espaço para plantar mais árvores.

Um país que está com uma crise hídrica grave tem que mudar sua visão e prol da natureza.

Você recicla o seu lixo? Qual a sua relação com ele? Deixe nos comentários!