A grama do vizinho é sempre mais verde

landfill-1024x682

Essa semana uma notícia me chamou a atenção. A notícia em questão é de que a grande maioria dos nossos municípios tem dívidas com os aterros sanitários. O rombo já é maior do que R$ 10 bilhões. E não é só isso: descartamos nosso lixo como se ele não fosse mais existir a partir do momento em que colocamos ele na lata para ser levado pro lixão.

Já não é de hoje que eu acompanho como a realidade de alguns países é diferente da nossa, em diferentes áreas. Muitas pessoas que visitam outros países dizem que “eles são mais limpos do que nós”, “que são mais bem educados”. Isso faz eu me perguntar: por que não podemos ser limpos também? Por que não podemos ser educados?

Eu não acredito que o lixão tenha que ser parte de uma realidade ruim. Podemos construir um lixo mais saudável. E isso tem que começar dentro de casa. Precisamos separar nosso lixo para que ele possa ser reciclado e não vire a montanha de toneladas de lixo que vão para o aterro todos os dias.

Devemos também nos concentrar em reduzir nosso lixo. Fazer nossa comida de maneira mais natural que não necessite embalagens é uma delas. E, acreditem, só essa parte do dia-a-dia já reduz metade do lixo que uma pessoa produz no dia.

No Japão, por exemplo, já existe aproveitamento de quase todo lixo produzido. Ele vira energia ou é reciclado de outras maneiras. De tudo que é levado ao lixão apenas 4% não é aproveitado para nada. Esse tipo de iniciativa gera emprego para muitas pessoas, sem contar no lucro que o aterro tem por vender o material reciclado para grandes empresas. Ninguém sai perdendo.

Volto para a mesma pergunta de antes: por que ainda não fazemos isso aqui? Só tem resultado bom! Tanto para a sociedade, quando você consegue um retorno financeiro para eles; quanto para a economia, já que você vai ter um novo tipo de mercado e aumenta o poder de compra que antes muitas outras pessoas não tinham; e o mais importante: o meio ambiente agradece por ter um lugar que será mais bem cuidado, limpo e que tem espaço para plantar mais árvores.

Um país que está com uma crise hídrica grave tem que mudar sua visão e prol da natureza.

Você recicla o seu lixo? Qual a sua relação com ele? Deixe nos comentários!

Anúncios

Como montar um armário do seu jeito

clothes-closet.jpg

Uma das primeiras coisas que as pessoas costumam fazer quando o ano começa é colocar a vida em ordem e geralmente, uma das primeiríssimas coisas que eles fazem é olhar as coisas que estão nos armários.

Não espere um post sobre armários de 33 peças apenas nem armário cápsula. Embora eu goste muito de ver artigos relacionados a esses temas, eu quero abordar o tema por um outro lado, que se preocupa com o meio ambiente e se responsabiliza pelo que consome.

Existem alguns passos que você pode seguir para montar um armário legal, mas tenha sempre em mente que ele nunca será ideal porque nosso estilo muda, os ambientes que nós vamos também muda e há uma série de coisas que levam a gente a ir trocando determinados aspectos do nosso armário. E vamos ser bem sinceros, nunca ficamos satisfeitos com nada por mais que esteja perto da perfeição. Sem mais delongas vamos às dicas.

  1. Pense no seu estilo. Essa é uma das coisas mais difíceis de fazer. Eu mesma não tenho um estilo definido, me visto de acordo com o meu humor e o local para onde vou. Então, a dica que eu dou nessa parte é tentar olhar para dentro do seu armário e enxergar qual o estilo que você aparenta ter. Você tem que pensar também no local onde você vive: se é um lugar quente ou frio, se chove muito. Seu armário tem que se adequar a isso também.
  2. Use o Pinterest. Eu comecei a usar o Pinterest para montar um armário que eu possa realmente utilizar todas as peças ao longo dos anos e amar todas elas combinando de formas diferentes. É lá também que eu monto quadros de inspiração para roupas que eu gosto e que eu posso vir a comprar no futuro.

im1.png

  1. Veja quais são suas cores, texturas e estampas. Com certeza tem algumas cores que você repete em diferentes peças de roupa. Eu, por exemplo, adoro branco, preto e azul, mas também adoro listras. Mais uma vez você tem que olhar para o seu armário para conseguir ver isso. Utilize um caderno para anotar as particularidades do seu armário.
  2. Não compre mais. Tente trabalhar o que você já tem para que não seja necessário comprar novas roupas. Caso realmente seja necessário, pesquise brechós na sua cidade que você possa comprar e quando for, já leve algumas ideias de roupas que você gostaria de comprar. Assim, você pode explicar para o vendedor o que você está procurando.
  3. Doe o que não pode utilizar mais de uma vez. No meu armário só tem coisas que eu posso utilizar pelo menos de três formas diferentes. Por exemplo: tem uma blusa verde que pode ser usada com short, saia ou calça jeans ou uma calça mais arrumada. Vocês podem fazer diferentes combinações, com a ajuda do Pinterest ou algum(a) amiga(o). Se for necessário fotografe as combinações para que você consiga lembrar mais fácil quando precisar sair. Se tiver alguma peça que eu não utilizo, que não me trás alegria de usar ou qualquer outro motivo, eu dôo para caridade ou vendo para o brechó.
  4. Selecione bons sapatos. Eu tenho poucos sapatos. De maneira bem básica tenho um tipo de sapato para cada tipo de ocasião. Tenho apenas uma bota, dois tênis, uma rasteirinha, um salto alto, um salto médio, uma sapatilha. Se eu não estiver esquecendo de nada, é só isso mesmo. Mas por que tão poucos? Porque eu tendo a me enrolar se existirem muitas opções, então prefiro ter poucos e de cores neutras, assim posso combinar mais, dependendo da ocasião.
  5. Acessorize. Essa dica é opcional porque tem muita gente que gosta de acessórios e tem muita gente que não gosto. Eu gosto de acessórios mas não gosto de exageros. Como eu moro no Rio de Janeiro fica bem difícil de usar acessórios de uma forma geral por causa do calor. Não gosto de coisas grudando em mim. Mas se você é a favor de acessórios pense quais vão com quais peças de roupa.

Comprar roupas é um hábito que pode ser cultivado da maneira certa. Você não precisa comprar uma roupa porque ela está barata ou no primeiro impulso de desejo. Criando um armário com a sua cara com o que você já tem desenvolve o seu gosto pelas coisas que estão na sua casa e te previnem de criar mais lixo comprando de marcas que escravizam famílias inteiras e gastam muita água.

Montar o seu armário leva tempo, eu mesma ainda estou montando o meu, mas com paciência você pode ser a pequena parcela de quem muda o mundo.

Vou deixar um vídeo de inspiração para vocês pensarem mais sobre suas roupas e que não precisamos ter muitas peças para sermos felizes. Essa menina usou o mesmo vestido durante 30 dias, de diferentes formas. Você não precisa usar a mesma roupa durante 30 dias, mas ajuda a exercitar o cérebro se você tentar utilizar o menor número de peças em 30 dias, por exemplo.

Alguém tem outras dicas? Deixe nos comentários!

O Problema com o Minismalismo

beauty3

Projeto para limpeza de lixão nos EUA a partir de material reciclado que funciona como painel de energia solar para um espetáculo ao fim da tarde

Há muitos anos já leio sobre produtividade e várias subcategorias relativas a ela. Ultimamente tenho visto uma onda de blogs que falam sobre minimalismo e destralhar as suas coisas. O livro da Marie Kondo explica como você pode colocar as sua vida toda em ordem começando por dentro da sua casa. Na real, a história é outra.

O grande problema é que estamos descartando e comprando mais coisas para substituir o que foi jogado fora ou doado. Eu digo isso porque eu também entrei nesse hábito. Comecei a descartar tudo simplesmente para me livrar de coisas que tinham um número muito alto. Roupas, DVDs, livros, recordações. Não parei para pensar se de fato necessitaria delas. Apenas pensei: tenho que ter pouca coisa, se eu precisar eu compro outro. Mas não é assim que funciona.

Quando compramos algo, ele já existe. Mas ele existe porque o desejo estava lá previamente. Ninguém faz um produto sem pensar que alguém vai consumir aquilo. Consumismo não é ter muitas coisas. É comprar novas coisas muitas vezes, independente da razão pela qual você compra.

Mesmo quando eu compro em brechós, eu não necessariamente estou sendo “minimalista” porque afinal de contas, comprar por apenas comprar, continua sendo atitude de consumista.

Há um ano atrás decidi comprar cosméticos apenas de empresas que não testam em animais. Me encontrei com uma grande dificuldade de primeira: não existem muitos lugares onde você possa ter informação sobre certas empresas e alguns tem listas desatualizadas. Você acha que se uma empresa for vendida para outra ela vai continuar fazendo seus produtos da mesma forma? Não acontece em todos os casos, mas há uma grande possibilidade de tudo mudar.

A partir disso, consegui uma solução: compraria produtos que podem ser usados em diferentes partes do corpo, assim eu não teria que pensar tanto sobre marca e não ficaria gastando dinheiro. Foi aí que eu quase dei um ataque e joguei todos os meus cosméticos fora porque durante a pesquisa notei que muitos dos que eu usava testavam em animais, mas eram os antigos.

Mas eu não descartei. Porque eu sei que ao fazer isso eu estaria contribuindo para mais lixo. E não é isso que queremos. Queremos poder comprar com consciência, pesquisando antes se é necessário e se sim, pra quê. Se cabe no nosso orçamento, se testa em animais ou é vegano. Se não tenho outro igual. Nessas horas, listas de compras são essenciais.

Por isso quero convidá-los a pensar bem sobre o que compram e no que tem. O que tem pode ser utilizado de diversas maneiras e cabe a você descobrir quais são as melhores maneiras de usar. Ao invés de comprar uma furadeira nova, que tal perguntar se o seu vizinho ou se alguém da sua família pode te emprestar uma?

Precisamos criar ideias novas para coisas velhas. As coisas que já existem são muitas e precisam de um propósito e ele não é simplesmente parar no lixo. Em pouco tempo teremos mais aterros do que espaço para respirar. Pense nisso!

ImagemLand Art Generator Initiative

Minhas resoluções de 2017

ano-novo-milldesk-1024x512-640x320

O ano está começando e com ele vem os sonhos. Sonhos de mudar para melhor, já que 2016 foi péssimo para a maioria das pessoas. Não estou falando apenas da crise financeira aqui no Brasil. Tivemos tragédias além do normal com terremotos atingindo vários países e ciclones tirando a moradia de tantos outros. Tivemos o Brexit que por si só nem precisa de explicações e o “evento Trump” que, na minha opinião desbanca todos os outros problemas dado o fato que ele sozinho consegue causar todos os outros.

Mas sejamos mais positivos nesse 2017! Vamos todos batalhar para que ele seja um ano inesquecível mas que seja bom. Que seja o ano do crescimento pessoal e coletivo do nosso planeta.

Tenho certeza de que muitos estão procurando alcançar o maior número de metas para esse ano. Infelizmente, quando o ano de fato começa bate aquela preguiça e acabamos não fazendo nada. Começamos a deixar tudo para a última hora e acabamos caindo em antigos hábitos. Primeiramente, se queremos mudar a nossa atual situação e realmente crescer e progredir, essa mudança tem que começar dentro de nós.

É claro que no início vai ser difícil porque não estamos acostumados a nos puxar ao máximo. Normalmente apenas dizemos aquele mesmo discurso: “Depois eu faço”, “Estou de férias”, “A primeira semana do ano é reservada para o descanso”.

A verdade, meu amigo, é que se você não fizer, ninguém fará por você. Então, vamos ver de que forma podemos melhor utilizar as nossas tarefas para que elas nos ajudem a alcançar as nossas metas.

  1. Tenha poucas metas – As vezes sonhamos muito alto e acabamos colocando muitas metas para nós. Não vou te dar um número certo porque isso varia de pessoa para pessoa. Mas o importante é não ter muitas metas senão você perde o foco.
  2. Metas tangíveis – Não adianta escrever que você quer ser um bom profissional como meta. Isso é muito genérico. Também não adianta dizer que quer perder peso apenas. Uma meta alcançável seria perder quatro quilos até o final de Março, por exemplo. Seja específico com as suas metas.
  3. Tempo – Eu penso nas minhas metas não ao longo do ano como um todo e sim, em trimestres. As metas que tenho hoje podem acabar sendo claramente impossíveis na prática. Por isso, de três em três meses eu prefiro revisá-las com calma. Se eu puder mantê-las para os próximos três meses, ótimo. Senão, fico feliz em estabelecer novas metas.
  4. Delineie seus passos – É muito importante que você escreva todos os passos para atingir as suas metas. Se você quer perder quatro quilos até Março você pode pensar: me matricular na academia, treinar três vezes na semana, anotar meu peso ao fim de cada semana ou mês… Assim por diante.
  5. 18 antes de 2018 – Quando o ano está na reta final você pode se sentir desanimado por não ter completado muitas das suas metas. Mas tudo bem. O que eu faço é rever minhas metas e observar se há possibilidade de terminar o ano com chave de ouro, com tudo fechadinho. Muitas pessoas fazem a lista de coisas que ainda querem completar antes que o próximo ano chegue. Não é necessário que você faça exatamente a quantidade de coisas equivalente ao número do próximo ano, é apenas uma ideia.

Metas não precisam ser coisas muito difíceis, muito pelo contrário, você vai delinear o melhor caminho para alcançar os seus sonhos.

Para te motivar a mudar a sua vida vou contar as minhas metas para 2017.

Em 2017, quero ser ainda mais consciente sobre os problemas ambientais.

  • Vou me tornar vegetariana.
  • Ser mais consciente sobre as minhas compras
  • Abolir o plástico da minha vida
  • Encontrar alternativas para energia elétrica
  • Usar menos água
  • Fazer meus próprios produtos e usar apenas produtos orgânicos ou veganos.

E para que eu não deixe de trabalhar pelas minhas metas, eu vou escrever aqui todos os meses atualizações do que eu tenho feito para alcançá-las. Assim, não vou desistir delas e vocês podem sempre deixar dicas para mim nos comentários.

Provavelmente, muitos posts únicos sairão dessa lista. Então, fiquem ligados nos próximos posts e deixem nos comentários quais são as suas metas para 2017.

Expurgos

Há muitos anos atrás, quando eu era realmente fissurada por organização e produtividade, minha meta de vida era viver sem a necessidade de usar papel para tudo.

Dei uma geral no meu quarto e me desfiz de documentos que já tinham passado da validade e eliminei uma grande montanha de papéis que todo mundo categoriza como “outros” e vai crescendo como uma bola de neve.

Agora vamos à frente alguns anos e me vejo com uma quantidade exponencialmente menor do que nos anos anteriores. E, assim, ao longo dos anos fui me tornando cada vez menos dependente de papel.

Hoje consigo apreciar uma bela papelaria, quase chorar com tantas fofuras, mas consigo me conter em não comprar. Porque sei que não vou usar.

Esse ano, me dei conta de quanto plástico usamos em casa. Tenho duas cachorras então eles de certa forma acabam sendo úteis quando elas vão ao “banheiro”. Mas notei que, na grande maioria dos casos podemos eliminar ou reduzir consideravelmente a quantidade de plástico que utilizamos no dia-a-dia.

Essa é a minha meta para ano que vem: expurgar o plástico da minha vida. E eu gostaria de convidar todos que quiserem participar dessa meta também. Vou ficar muito feliz de ter outros para compartilhar novas formas de se livrar do plástico.

Aguardem os próximos posts para atualizações sobre as minhas metas para 2017.