5Rs – Uma Questão Fundamental

5rs

Cada dia que passa vemos mais notícias do impacto que o homem causa ao meio ambiente. Destruímos florestas por lucro, já danificamos 75% da superfície da Terra, e ainda estamos procurando outros planetas para continuar poluindo desenfreadamente. Até Stephen Hawking disse que essa seria, na verdade, a nossa única salvação.

Uma das coisas mais desesperadoras quando se está no início da jornada para produzir menos lixo é que só vemos que a pilha crescer cada vez mais, e que o pior é que não percebemos que podemos ser os principais agentes da transformação e redução do nosso lixo.

“Recuse o que você não precisa, reduza o que você precisa, reutilize o que você consome, recicle o que você não pode recusar, reduzir ou reutilizar e composte o resto”                                                                                Bea Johnson – Zero Waste Home

Trouxe hoje, um assunto que é bem batido no meio de sustentabilidade mas é essencial lembrarmos sempre deles: os 5Rs.

Os cinco Rs da sustentabilidade podem ser aplicados de diversas formas e em vários aspectos da vida, mas optei por colocar aqui exemplos práticos para nossa rotina diária. Eles significam: recusar, reutilizar, reduzir, reciclar e rot (apodrecer). Tomei essas etapas do inglês, mas muitas pessoas usam alguns dos Rs como repensar, mas ele está presente em todos eles, na minha opinião.

Recusar

Toda vez que vamos ao mercado ou na feira podemos fazer a escolha de levar ecobags e recusar sacolas descartáveis. Ao andar na rua podemos recusar papéis de panfletagem. Podemos também recuar brindes que venham com produtos que iríamos comprar. O produto pode ser útil mas o brinde certamente não é. Comprar produtos de origem natural torna mais fácil recusar descartáveis. Levar sempre seus utensílios quando for almoçar fora e recusar canudos também faz parte.

Reutilizar

O mais fácil dessa lista vem do armário. Compre roupas de brechós ou alugue ao invés de comprar e tente ao máximo renovar sempre seu armário com novas combinações como a Melody do @repeteroupa.

Toda vez que comprar algo em conserva ou qualquer pote de vidro reutilize para guardar compras à granel. Ninguém precisa viver no mundo perfeito de mason jars. Upcyling também é uma opção, com coisas que já quebraram, como móveis que podem receber uma repaginada.

Reduzir

Nesse quesito podemos pensar na eletricidade e água. Reduza ao máximo seu tempo de banho e repensar se você precisa mesmo assistir tanta TV ou usar tantos eletrônicos. Prefira os que utilizam menos energia e prefira reduzir o consumo deles. Prefira uma dieta mais baseada em plantas e reduza o consumo de carnes.

Reciclar

Preciso reforçar que a reciclagem não é a solução, por isso é tão importante reduzir para que a gente não precise reciclar. Mas sempre que não tiver opção, prefira produtos que possam ser reciclados.

Nem todos os tipos de plástico podem ser reciclados, estudem qual é o tipo que você usa para descartá-lo da forma correta.

Rot (Apodrecer)

Esse é fácil para uns e difícil para outros, mas só podemos compostar. Farei um post sobre compostagem em breve (mas ainda vai demorar), mas tenha um minhocário em casa, pesquise locais que compostam restos orgânicos na sua cidade.

Não coloquei aqui a parte de repensar porque, como havia dito no início do post, ele é bem parecido com todos os outros. Todos os dias precisamos repensar todos os hábitos que temos cotidianamente. Fazemos coisas no automático e esquecemos que todas as nossas escolhas tem um impacto. Vamos lutar para que esse impacto seja cada vez mais positivo.

Deixe nos comentários outras soluções para os 5Rs.

Anúncios

O Mundo da Moda

shatenka-chernoe-plate-les

Recentemente, li um artigo que mostrava de que forma o mundo da moda pode ser um aliado e um vilão. Achei importante levantar essa questão aqui no blog já que a moda é uma indústria que toma cada vez mais proporções catastróficas.

Esse mercado bilionário é o segundo maior contribuidor para o aquecimento global sendo responsável por 10% de emissões de carbono, ela só perde para a indústria de óleo e gás.

Muito se fala sobre o trabalho escravo que é uma realidade na vida de famílias que vivem em lugares muito pobres, como no Camboja. No entanto, esse tipo de trabalho feito em condições precárias acaba por ser o único meio de subsistência dessas pessoas. Muitos não querem que acabe, mesmo sofrendo com o ganha-pão deles.

A dura realidade desses trabalhadores está mudando aos poucos com a ajuda de iniciativas que querem encontrar formas de exigir dos donos dessas grandes empresas dêem condições melhores de trabalho, assim como um salário maior para esses operários.

Mas o trabalho escravo não é o único problema. Estima-se que sejam gastos 1.300 litros de água só para fazer uma blusa. Imaginem o quanto uma fábrica inteira não gasta por dia. E não pára por aí. Leve em consideração também o gasto de água para o cultivo da matéria prima desses produtos. O algodão, por exemplo, gasta muito mais água e utiliza muito mais pesticidas do que a fibra de urtiga, que é um isolante térmico natural e não é atacada por muitas pragas.

Outro exemplo que vale a pena ser citado é o material polietileno que vocês já leram sobre aqui. Ele libera milhares de micropartículas que direto para os oceanos a cada lavagem que fazemos.

Muitas comunidades pobres em países como a Índia e Indonésia estão sofrendo porque indústrias têxteis estão acabando com fontes de pesca, como o Mar Aral que fica na Ásia Central. Ele está secando pouco a pouco por causa da utilização das fábricas. Isso sem contar na quantidade de poluição em outras bacias ao redor das fábricas, que acabam por deixar a população local doente e com doenças que não podem ser tratadas justamente por causa da baixa renda dessas famílias.

Isso deixa de ser apenas um problema social e ambiental e se torna um problema de todos. A quantidade de água existente hoje já não pode se revitalizar porque não damos o tempo devido para que ela se renove. Isso se dá pelo grande contingente populacional no mundo.

Já existem marcas de roupas que se preocupam em ser mais humanizadas e reduzir  seus impactos ambientais. Embora as intenções sejam ótimas, ainda assim estamos reduzindo ao invés de reduzir. Acho muito legais as propostas de lojas como Huge, Ada e Myneral, que apostam no modelo de upcycling que é um movimento muito importante rumo a um mundo #100lixo.

Brechós ainda são opção também quando você busca roupas novas por um custo menor. Antigamente era muito comum ver moças comprando roupas usadas em lojas que eram chamadas de boutiques e tinham ares mais glamurosos. Podemos voltar a ter esse tipo de cultura para gerar menos lixo, rendas para esses vendedores e gastar menos água. Nesse momento, essas são as opções de menos impacto.

Deixe sua opinião nos comentários e poste suas fotos #100lixo no Instagram.

Fontes: +Alma, Forbes

Imagem: Google